Facebook Twitter Google +1     Admin

A PSICOLOGIA DO ESPORTE EM CADA UMA DAS ETAPAS DO TREINAMENTO E COMPETIÇÃO.

20110513050615-57571560.jpg

Professor MS Ramón Núñez Cárdenas.

Na preparação dos atletas de alto desempenho, aprecia-se em muitos dos casos que os treinadores fazem os maiores esforços por desenvolver em seus atletas uma adequada preparação física, técnica, tática e teórica. Além de difundir neles valores, interesses pela vitória e confiança em si mesmos.

Ao chegar a competição, observamos que muitos atletas apresentam condutas não habituais como: nervosismo excessivo, indiferença com a competição, entre outros. Então surge o questionamento, será que não desenvolvemos o melhor de nós para que estes atletas obtenham uma boa forma esportiva encaminhada ao melhor desempenho? O que descuidamos? Por que na quadra, os atletas cometem tantos erros de origem técnico e tático que nos treinamentos foram feitos com eficiência?

Quando temos a tarefa de ensinar um novo movimento técnico, o explicamos, demonstramos, utilizamos diferentes meios, oferecemos oportunidades de prática. Porém, o fato é que o aprendizado não avança com a rapidez que esperávamos, além de indicar os contínuos erros cometidos. O que faltará no planejamento dos treinamentos para que o processo de aprendizado técnico seja desenvolvido aceleradamente em toda a equipe?

 São muitos os exemplos práticos que se pode mencionar iguais aos anteriores, que se desenvolvem no trabalho dos treinadores.

 O problema é que, na maioria dos fatos se esquece *A psicologia do esporte em cada uma das etapas do treinamento e competição*.

Segundo Nitsch (1985), *O objetivo e a meta do treinamento psicológico é a modificação dos processos e estados psíquicos (percepção, pensamento, motivação), ou seja, as bases psíquicas da regulação do movimento. Essa modificação será alcançada com a ajuda de procedimentos psicológicos*.

Becker Jr. & Samulski, 1998, desenvolvem a idéia de que no treinamento psicológico, deveriam ser considerados os seguintes princípios:

 1,  A participação no treinamento psicológica deve acontecer por interesse própria e sem pressão externa.

 2, ; Antes de aplicar o treinamento psicológico, deve-se informar os atletas sobre seus objetivos, métodos, indicações e efeitos.

 3,  Os métodos aplicados no treinamento psicológico devem ser cientificamente aprovados.

 4,  O treinamento psicológico deve contribuir para o desenvolvimento da personalidade e desenvolver saúde, bem-estar, autodeterminação e responsabilidade social.

Desde a óptica desta ciência, toda conduta ou ação do atleta, tanto individual como coletiva, encontra-se regulada pelos fenômenos psíquicos. Deve-se compreender o importante que será conhecer os aspetos da regulação psicológica na ação dada, estes desenvolvidos corretamente, contribuiriam ao aperfeiçoamento do elemento técnico, tático, etc. Por todo o anterior, consideramos que a ajuda psicológica aos atletas passa a nosso critério por sete etapas fundamentais de trabalho que são:

1- Determinação de problemas fundamentais comprovados na prática.

2- Determinação dos requisitos psicológicos que permitem a regulação das ações que apresentam deficiências.

3- Diagnóstico dos mesmos.

4- Seleção das tarefas para o desenvolvimento daqueles requerimentos psicológicos que apresentam dificuldades.

5- Organização racional das tarefas em função dos objetivos propostos dentro do sistema de preparação psicológica do atleta.

6- Controle da utilidade das tarefas aplicadas através de novos diagnósticos, tanto dos requerimentos psicológicos como das ações e condutas que apresentavam dificuldades.

7- Correção do planejamento ante novas dificuldades ou permanência de erros fundamentais.

Para uma melhor compreensão das etapas mencionadas anteriormente, queremos mostrar um exemplo concreto prático: Trabalhamos com uma equipe de Futebol e nos encontramos com jogadores que apresentam uma baixa eficiência em seus chutes a goleira. O trabalho operativo mais idôneo seria da seguinte forma: Quais são os requerimentos psicológicos essenciais que devem encontrar-se bem desenvolvidos para que permitam ao jogador obter os melhores resultados?

 - Controle dos esforços musculares (sensações propioceptivas).

 - Imagem clara do movimento em toda sua estrutura (representação motora).

 - Percepção do movimento próprio.

 - Domínio da bola (percepção especializada).

 - Cálculo correto da distância (percepção especializada).

 - Interesse na tarefa e compreensão da importância que a mesma tem para o êxito pessoal e da equipe.

 - Controle dos estados desfavoráveis.

 Além dos aspetos mencionados anteriormente é necessário considerar: Que nível de desenvolvimento possui os componentes psicológicos que se encontram na base da regulação dos chutes a goleira em suas variadas formas?

Para isto devemos conhecer as formas de diagnósticos mais adequadas em cada situação e que com nossas condições possamos fazer, como se aplica as mesmas e de que maneira se avaliam.

Que tarefas são as mais adequadas para obter o desenvolvimento dos componentes psicológicos deficientes?

Para cumprir com esta etapa devemos dispor das tarefas conhecidas, dominar suas formas de aplicação e determinar a freqüência de sua realização, assim como também a etapa dentro do macrociclo onde as utilizaremos mais intensamente.

Como se faz um planejamento de preparação psicológica, pelo qual possa me orientar no processo de trabalho com os atletas?

Para fazer esse planejamento é necessário instrumental num formato adequado as ações que pretendemos realizar, contemplando os componentes psicológicos que foram selecionados como essenciais para a ação, os objetivos propostos, as tarefas escolhidas, suas formas de aplicação e freqüência.

Melhoram os níveis de expressão dos componentes psicológicos, assim como a efetividade nos chutes, depois de um período de aplicação do planejamento?

A fim de comprovar a utilidade das tarefas selecionadas e sua repercussão na qualidade das ações, devemos fazer uma nova etapa de diagnóstico, devido a que pode ser que os resultados do planejamento não sejam os mais esperados.

É necessário fazer modificações no planejamento da preparação psicológica inicial?

Analisara-se se é necessário modificar as tarefas que foram utilizadas durante o planejamento.

 Mesociclo: Preparação Técnica

Objetivos Componentes Psicológicos Tarefas Formas de aplicação Freqüência
1- Obter maior efetividade nos chutes a gol, no futebol de campo. - Sensações propioceptivas. - Bloqueio de informação visual. Situamos o atleta frente a goleira com a bola pronta para chutar, e nos olhos deste um pano para bloquear sua visão da goleira. Nos situamos perto da goleira para indicar ao atleta os erros na direção do chute, o atleta deverá concentrar sua atenção em seus esforços musculares, devido a que carece de orientação visual. Duas vezes semanais.

 Quadro Nº1: Formato elementar para a confecção de um planejamento de preparação psicológica geral (Norma Zaiz, 1999).

Deve-se compreender que o treinador, autor principal do trabalho da equipe, é o responsável pela preparação dos atletas em todas as esferas e o fato da preparação psicológica não é uma excepção. É de esperar que quando se inicia um novo macrociclo, além de atualizar o conjunto de problemas essenciais, devemos ter em conta os resultados alcançados no planejamento anterior, a fim de que exista uma relação de continuidade no trabalho psicológico e que na nova etapa se alcancem objetivos a planos superiores.

Para poder desenvolver as etapas do trabalho psicológico com os atletas, é necessário ficar informados sobre os diferentes componentes que integram o sistema da regulação psicológica das ações motrizes no esporte. Deve-se conhecer que toda ação do atleta é desenvolvida com êxito, primeiro porque ele deseja fazê-la, esforça-se em realizá-la e por outra parte, porque conhece e possui as habilidades necessárias corretamente desenvolvidas. Com esta análise, queremos dar a conhecer que o atleta precisa de processos psicológicos que o impulsem a realizar a ação, como são: os motivos, interesses, ideais, aspirações, convicções e afetividade, e outros que lhe permitam realizá-la com um determinado nível de eficiência como são: as sensações, percepções especializadas, memória (representação motora) pensamento, linguagem, habilidades e tolerância psíquica.

Para fazer um trabalho integrado de ordem psicológico com a equipe, devemos  incorporar em nosso planejamento tarefas que permitam o aperfeiçoamento dos componentes do sistema de regulação psicológica que apresentam deficiência.

 Por outra parte, devemos dizer que as formações da personalidade têm um papel importante dentro do sistema de regulação psicológica das ações motrizes. Nelas, o treinador pode influir positivamente no caráter, nas capacidades, e em si mesmo, devido a que se reconhece que as mesmas são desenvolvidas através da vida do sujeito. Em relação ao temperamento, nasce com a pessoa e não muda em sua essência, por muitos esforços que este faça para variá-lo.

 Para resumir nosso artigo sobre *A Psicologia do Esporte nas diferentes etapas de treinamento e competição*, queremos fazer várias interrogações que servirão para uma melhor compreensão, sobre a utilização desta ciência dentro das diferentes preparações que são desenvolvidas nos atletas, no processo de treinamento e a competição.

 1) Não é a preparação técnica o processo de aperfeiçoamento de todos os componentes psicológicos (que inclui a criação de motivos dirigidos ao domínio das ações motrizes, o aperfeiçoamento da discriminação precisa dos esforços musculares (sensações motoras), o desenvolvimento das imagens dos movimentos, das percepções especializadas, etc.?

2) Não é a preparação tática, a educação do pensamento e dos componentes psicológicos que permitem a aplicação acertada, no momento preciso, dos elementos técnicos?

 3) Por acaso, a preparação física não leva também a uma mobilização ativa das disposições de rendimento e requer de altos níveis de constância e auto controle?
4) Na preparação teórica, não se facilita a compreensão do atleta das fases do movimento, da
sucessão das ações?

 5) Não é a etapa de pré-competição e competição o período de tempo que requer do atleta a mobilização consciente de todas suas disposições físicas e psíquicas para criar um estado ótimo que garanta a obtenção dos melhores desempenhos em função de seu nível de treinamento?

 Por tanto é necessário ficar convencido, que a preparação psicológica é uma tarefa constante do trabalho com as equipes esportivas. É importante fazer tarefas de ordem psicológicas durante uma parte do treinamento, porém isto não garante o desenvolvimento harmônico do atleta e da equipe que tanto desejamos alcançar. Durante a execução das tarefas concernentes à preparação física, técnica, tática e teórica, requer-se ter em conta a forma mais racional para que cada atleta receba a informação e cumpra com as mesmas de forma consciente, concentrado, disposto a entregar seus melhores esforços diariamente, e isto só é possível, se aplicamos durante todos os mesociclos a preparação psicológica.

Revisão Bibliográfica

ALEKSEEV A. V. A superarse. Moscú: Editorial V/O Veshtorgizdad por pedido especial de la  Editorial Pueblo y Educación , 1991.

AGUILERA Ariel Ruiz. Metodología de La Educación Física.Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1986.

BOZHOVICH L. Y;  BLAGONADIEZHINA L.V. Estudio de las motivaciones de la conducta  de los niños y adolescentes. Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1986.

BAYER, Claude. La enseñanza en los Juegos Deportivos Colectivos. España: Editorial Hispano Europea , 1989.

BECKER JUNIOR, Benno. Manual de Psicologia do Esporte & Exercício. Editoração Eletrônica: Abel / Nova Prova, 2000.

CASAL, Hiram Vadéz , et al. Psicologia de las edades. La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1987.

CHEMIKOVA O. A. Psicología del Deporte. La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1988.

______ O. A. Psicología de la Competencia Deportiva. La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1989. COSTA NETO, Pedro L. de. Estatística. São Paulo: Edgard Blücher, 1977.

 DZHANMGAROV T.T. Psicología en la Educación Física y el Deporte. Ciudad de la Habana: Editorial Científico Técnica, 1990. FORTEZA DE LA ROSA, Armando; RIVAS, Alfredo Ranzola. Bases Metodológicas de Entrenamiento Deportivo. Ciudad de la Habana: Editorial Científico Técnica, 1988. GORBUNOV G. D. Psicopedagogía del Deporte. Moscú: Editorial V/ O Vneshtorgizdad por pedido especial de la Editorial Pueblo y Educación, 1988.

GONZÁLEZ F . L. Motivación Moral  en adolescentes y jóvenes. Ciudad de la Habana: Editorial Científico * Técnico, 1992.

HAHN, Erwin. Entrenamiento com Niños: Teoría, Práctica y Problemas Especiales. Barcelona: Editorial Martínez Roca, 1998.

Instituto Nacional del Deporte Educación Física y Recreación . Manual del profesor de Educación Física. Ciudad de la Habana: Editorial José A.Huelga, 1996.

LE BOULCH, Jean. El Deporte Educativo: Psicocinetica y Aprendisaje Motor. Editorial Paidós, 1991.

LEVIN, Jack. Estatística aplicada a Ciências Humanas. São Paulo: Harbra, 1987.

LEVITOV N.A. Sobre los Estados Psíquicos del hombre. Moscú: Editorial Científico Técnica, 1986.

LINDBER F. Baloncesto Juegos y Enseñanza. Ciudad de la Habana. Editorial Pueblo y Educación, 1987.

MARTÍNEZ, Miguel. Inteligencia y Educación. Barcelona Editorial Promociones  Públicas Universitárias, 1986.

PETROUSKY A. V. Psicología Pedagógica y de las Edades. Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1982.

REVISTAS CLINIC Baloncesto. España: Editorial Asociación de entrenadores de Baloncesto de España. AEEB.Nºs: 23, 25, 32, 35, 36, 37, 38, 39. 1990.

 RODIONOV A. V. Psicología del Entrenamiento Deportivo. Ciudad de La Habana: Editorial Científico Técnico, 1987.

RODRÍQUEZ, Gaston Pérez; LEON, Irma Nicedo. Metodología de la investigación Pedagógica y Psicología. Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1989.

RODRIGUEZ, Pedro L. De la Paz. Baloncesto. Aspectos Históricos, Metodológicos del Baloncesto. La Habana: Editorial Pueblo y Educación ,1987.

______ La Ofensiva. La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1987.

RUDIK, P. A. et al. PSICOLOGÍA: Texto Básico. Moscú: Editorial Pueblo y Educación, 1985.

SAMULSKI, Dietmar. Psicologia Do Esporte. São Paulo: Editora Manole Ltda, 2002.

SUBIRANA, Juan A. Apracti. Entrenamiento Deportivo. Barcelona: Editorial Martinez Roca, 1995.

VARI, Peter. Baloncesto: 1000 Ejercicios y juegos. Barcelona: Editorial Hispano Europea, 1993.

VERJOSHANKI, Lurig V. El Entrenamiento Deportivo: Planificación y Programación. Barcelona: Editorial Martínez Roca, 1990.

ZINI, Alexander. Los primeros pasos en el Baloncesto. Moscú: Editorial Raduga, 1982.

ZHUKOVSKAIA, R.Y. El Juego y su importancia Pedagógica. Ciudad de la Habana Editorial Pueblo y Educación, 1982.

YAKOLIEV, Nicolai. Metodología y Técnica de la clase. Moscú: Editorial de los Libros 1983

13/05/2011 00:06 ucha #. sin tema

Comentarios » Ir a formulario

No hay comentarios

Añadir un comentario



No será mostrado.





La Bitácora del Dr. Ucha

Temas

Archivos

Enlaces


Blog creado con Blogia. Esta web utiliza cookies para adaptarse a tus preferencias y analítica web.
Blogia apoya a la Fundación Josep Carreras.

Contrato Coloriuris