Facebook Twitter Google +1     Admin

INFLUÊNCIAS DA MOTIVAÇÃO NA PRÁTICA DA NATAÇÃO*9

20080711052215-slide0001-image001.png

INFLUÊNCIAS DA MOTIVAÇÃO NA PRÁTICA DA NATAÇÃO*

ALAN RANIERE SILVA XAVIER**

Instituição: Universidade Federal de Rondônia-Brasil

Figura 7

Satisfação e Motivação nas Aulas

Na categoria satisfação e motivação nas aulas, os 52% que somente às vezes sentem-se motivados nas aulas podem mostrar a inconstância nas mesmas, ou seja, aulas supermotivadoras, mescladas com as que despertem baixa motivação. Os 22% que sempre se mostram motivados, são os alunos mais compromissados, que detém alto nível de motivação, principalmente com motivos pessoais e diretos, e uma grande motivação intrínseca. Os 26% que nunca demonstram satisfação e motivações podem ser aqueles alunos que apresentam objetivos indiretos e sociais, e um maior grau de motivação extrínseca.

•5.       CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

        Na pesquisa buscou-se investigar se a motivação influi na prática da modalidade, assim, levando em consideração todos os fatores analisados, observamos que os níveis de motivação influem diretamente no rendimento dos alunos, principalmente no que diz respeito a resultados. Como vimos muitos dos alunos procuraram praticar o esporte de forma mais intensa, quando a competição está mais próxima, levando assim, mais ao insucesso do que o bom êxito, o que futuramente atingira sua motivação intrínseca, induzindo a desistência do esporte.

Com base nas respostas dos questionários respondidos pelos alunos, para a investigação dos motivos, confrontando com a entrevista aos técnicos que investigavam a motivação dos alunos durante as aulas, e as 30 aulas analisadas, podemos atingir tais pensamentos:

  • A maioria dos alunos detém motivos pessoais, os que apontam a amplitude dos objetivos na prática desportiva. Seguidos por motivos indiretos, que visam outros tipos de motivos que estão fora do patamar técnico ou de rendimento no esporte, ou seja, obtenção de saúde, manutenção da forma física;
  • Analisando a entrevista com os técnicos, as variáveis pontualidade e freqüência são seguidas fielmente por todos os alunos. Tal fato nos leva a evidenciar a existência de uma motivação inicial para a prática da natação;
  • Os exercícios mais "fáceis" são os mais atrativos para os alunos, onde a uma queda vigorosa da motivação dos mesmos quanto à complexidade dos exercícios, tendo a concentração que é uma das variáveis reguladoras do aprendizado, apresenta-se de forma baixa, dificultando-o. Poucos são os alunos que apresentam bom desempenho em exercícios complexos. O que leva a crer que há queda da motivação inicial e, sem ela é sabido que se torna mais complexo a aprendizagem.

     Na entrevista com os técnicos, notamos algo importante, a maioria dos alunos pesquisados, costuma praticar a atividade de forma mais intensa, poucos dias antes de uma competição (motivo pessoal e direto), para a obtenção de resultados, mas os mesmos afirmam que essa motivação é diminuída no decorrer dos treinos, devido à complexidade dos exercícios e do esforço para a realização de tal atividade, o que torna diminuído o sucesso durante tal prova (competição).

     Na observação dos treinos, podemos constatar que a maioria dos alunos mostrava-se descompromissados com as atividades, a minoria chegava no horário certo, ou vinham com freqüência. Notou-se também, que os técnicos cobravam muito na realização das atividades, o que acarreta a diminuição da motivação por parte dos alunos. Muitos tinham objetivos de ganhar competições, serem atletas, mas havia um contraste nesse ponto, pois, não se esforçavam para tal, no que diz respeito à realização das atividades tendo compromissos e atitudes que levem um atleta a atingir uma melhor performance.

     Será que metodologicamente as aulas estão atingindo a motivação intrínseca e inicial dos alunos? Pode-se indagar se o professor procura motivar seus alunos, objetivando nas aulas exercícios lúdicos que agradem, chamem a atenção e concentrando-os para um melhor desempenho nas atividades propostas.

     Ele deve ser capaz de se motivar diante de situações extremas e apresentar-se sempre como um modelo positivo para seus alunos, só o professor poderá exigir alta motivação de seus alunos quando estiver motivado. Ele deve apresentar metas realistas e exigentes no treinamento e na competição, considerando que essas metas correspondam às capacidades individuais de cada aluno, considerar que elogio e reconhecimento motivam mais do que declarações discriminatórias e de repreensão.

     Cabe ao professor estimular seus alunos, fortalecendo a todos positivamente em todas as situações de treino. Compete a nós profissionais ressalvar a motivação nos alunos, tornando prazerosa a prática de qualquer que seja o esporte, para qualquer que seja o fim, o professor deve estar convencido que a motivação é inerente ao ser humano, e que é ele o elo entre o aluno e a atividade.

 REFERÊNCIAS

 

AMATUZZI, M. M.; GREVE, J.M.A.; CARAZZATO, J. G.: Reabilitação em medicina do esporte, 1ª ed. São Paulo: Roca, 2004

BORGES, Gustavo.Lições da água: Como o empenho e a dedicação podem fazer de você um campeão. 1ª ed. São Paulo: Editora da Gente, 2002.

BECKER, B. Jr. Manual de Psicologia do Esporte & Exercício. Porto Alegre: Nova Prova,2000.

BECKER, B. Jr & SAMULSKI, D. Manual de Treinamento Psicológico para o Esporte. Porto Alegre: Edelbra, 1998.

COLWIN, C. M. Nadando para o Século XXI. Tradução: Maria de Lourdes Giannini. 1ª ed. Barueri-SP: Manole,2000.

CRATTY, B. J. Psicologia no Esporte.Tradução: Olívia Lustosa. 1ª ed. Rio de Janeiro: Prentice hall do Brasil LTDA, 1984.

CARDENAS, R. N. A Motivação como fator psicológico essencial para a prática desportiva.www.psicodeporte.net, revista eletrônica . Acesso em: março/2006.

FIQUEIREDO, S. H. Variáveis que interferem no desempenho do atleta de alto rendimento. In: Psicologia do Esporte: interfaces, pesquisa e intervenção. São Paulo: Casa do psicólogo,2000.

FUNDAMENTOS DA NATAÇÃO. www.cbda.org.br. Acesso em: 01 dez.2006

LAKATOS, E. M. & MARCONI, M. A. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas,1995

GOUVÊA, F. C. Motivação e o esporte: uma análise inicial. In: BURITI, M. de A. (Org.) Psicologia no Esporte - Coleção Psicotemas. Campinas: Editora Alínea, 1997, p. 149-173.

MACHADO, A. A. Psicologia do Esporte: Temas Emergentes. Jundiaí: ápice, 1997.

MACHADO, D. C. Natação: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: Sprint, 1995.

MORROW, Jr, et. al. Medida e avaliação do desempenho humano Tradução: Maria da graça Fiqueiró da Silva.2 ed. Porto Alegre: Artmed, 2003

TUBINO, M. J. G, Metodologia Científica do treinamento desportivo. 3ª ed. São Paulo: IBRASA 1984.

SAMULSKI, D. Psicologia do Esporte. São Paulo: Manole LTDA, 2002.

SINGER, R. N. Psicologia dos Esportes: Mitos e Verdades. Tradução: Marina T. B. Porto Vieira. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1977.

SHIGUNOV, V. & PEREIRA V. R. Pedagogia da Educação Física: O desporto Coletivo na Escola. Os componentes Afetivos. São Paulo: IBRASA, 1993.

ZAINS, N. Psicologia Del deporte. Cuba: editora HAVANA,1998.

WEINECK, J. Manual de Treinamento Desportivo. São Paulo: Manole, 1998.

11/07/2008 05:22 ucha #. sin tema

Comentarios » Ir a formulario

No hay comentarios

Añadir un comentario



No será mostrado.





La Bitácora del Dr. Ucha

Temas

Archivos

Enlaces


Blog creado con Blogia. Esta web utiliza cookies para adaptarse a tus preferencias y analítica web.
Blogia apoya a la Fundación Josep Carreras.

Contrato Coloriuris